AUTO-ENGANO

Eu sou um mosaico de medos,
Mas isso é segredo.
É preciso amoldar-me ao mundo.
Aqui, na ânsia de ser aceito,

Releva-se a poesia emoldurada do que se é
E sublima-se a aparência do que se quer.
Preciso esconder a arte rebuscada dos medos
E exibir a máscara medíocre
De minhas falsas certezas.

Quantos incautos crerão
Em minha fortaleza interior?

E assim também eu perco a arte do humano.
Finjo perene coragem
E, em alto estilo,
Dissimulo o meu auto-engano.

Nara Rúbia Ribeiro

Postagens mais visitadas deste blog

OS PREFERIDOS DA MAMÃE

O QUE É SER PRAGMÁTICO?

SILÊNCIO DOS LOBOS